quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Estado de Espírito


Onde andam as palavras?
Aquelas que preciso dizer?
Que preciso ouvir?
Ouço uma voz que não quer
Calar, e eu proíbo-a,
Direcciono em outro sentido.
Um tumulto de emoções,
De palavras surdas,
Tudo me atormenta agora.
O meu inconstante estado de espírito,
A minha alma que parece
Ter desencarnado de mim…
E se ela não está,
Onde andarei eu?

© Alexandra Carvalho

6 comentários:

  1. A dualidade do ser humano. Muito forte.

    beijinhos


    ResponderEliminar
  2. Procura as palavras dentro de ti, mas não as proíbas...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Alexandra, querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. a dualidade das palavras e dos sentidos.

    gostei muito-

    um beijo

    ResponderEliminar
  4. Reli o teu poema, com igual agrado.
    Bejinhos, querida amiga.

    ResponderEliminar
  5. É admirável quanta prosa e poesia belas encontramos na blogosfera...prazer em conhecer seu blog...!

    Abraços

    Bíndi & Ghost

    http://nossocantinho21.blogspot.com
    http://esquinadosversos.blogspot.com

    ResponderEliminar