sábado, 24 de novembro de 2018

Deixa estar

Deixa estar,
Este não tem de ser o tempo.
E que é o tempo?
Pedaços de dias, pedaços de horas.
Tempo, partilha. Memórias.
Deixa estar,
Não precisas estar pronto.
E que é estar pronto?
Sentir. Desejar. Sorrir. Querer.
Deixa estar,
Nada que não seja para ser, é.
Deixa estar,
Resta o que tiver de restar.
Deixa estar....

© Alexandra Carvalho

terça-feira, 23 de outubro de 2018



Acredito que estamos aqui, neste plano que é tão denso para evoluirmos como seres humanos, mas essencialmente para conseguirmos ir mais além como almas.
Viver, não é fácil. Há experiências que nos levam para lugares que podem ser muito sombrios. Há pessoas que se encontram connosco, que na medida do impossível conseguem transportar a nossa essência para uma escuridão que não é nossa.
Mas, porque acredito que estamos cá para evoluir, sei que nada é por acaso.
Nem essas experiências, nem essas pessoas.
Naquele preciso momento, elas estão ali para nos confrontarmos com dores que são eternas e que vida após vida, teimamos em não querer deixá-las.
Sem vivenciar essas dores, esses sentimentos tão dilacerantes, sem quebrarmos os padrões que nos levam a elas, nós continuaremos a andar em círculos que se tornam incomportáveis de viver.
É preciso chorar, e repensar o que queremos para nós.
Se um ciclo giratório, que não nos desprende das mesmas eternas realidades. Se a alegria, se a mudança.
Viver, mesmo quando percebemos isto, ainda assim, é difícil.
Existe um ego que nos puxa para uma racionalidade desmedida. Logo ao lado, está uma essência que nos arrebata e tenta mostrar o que a intuição nos quer dizer.
Às vezes, as pessoas que nos mais magoam, são aquelas que mais nos dão. São as almas companheiras que aceitam ser o canal que transporta a dor, a tarefa complexa, que no final de contas, abre o caminho para a nossa evolução, para a alegria que estamos destinados a viver.
Tão companheiras que são, que não estão aqui para ficar connosco. Não é essa a missão primária com que vieram.
No decorrer dos anos, se estivermos abertos ao conhecimento, à sabedoria que tudo na vida, nos faculta. Conseguiremos dizer, que a pequenos passos começamos a valorizar o mais importante.
A Serenidade. A Paz. A Verdade. O Amor.
O Eu Superior, o nosso, o mais puro e mais real.

© Alexandra carvalho

domingo, 7 de outubro de 2018

O exemplo de uma declaração


Lá atrás, não tem assim muito tempo disse-te que não ia remar sozinha, porque a maré era difícil de contornar.
Não sei bem porquê, mas não consegui desligar-me, pelo contrário. Quando dei conta, estremecia ao te ver, ou simplesmente ao ver o teu carro passar por perto.
Apeteceu-me várias vezes dizer que estava a começar a gostar de ti. Mas este é um gostar novo na minha realidade.
Eu sempre fui intensa, de grandes paixões, com pressa. E contigo, fui ficando, fui esperando, tive medo, acho eu.
Em alguns momentos a dois, apeteceu-me dizer, vem cá e dar-te aquele beijo que tenho aqui contido desde algum tempo. Mas mesmo apetecendo, não fui capaz.
Tive medo que logo ali, tu me rejeitasses, e eu nunca fui rejeitada, não sei como lidaria com essa situação.
Depois tive outro medo, que a nossa amizade/ligação se perdesse por essa atitude minha.
Não nos vemos sempre, a vida não permite, a nossa vida, não só a tua, nem só a minha. Mas acredito que este carinho, atenção ou seja lá que sentimento é, existe entre nós.
Agora, estou com outro medo, o da vergonha. De olhar para ti, depois de leres este texto. Tenho medo também que venhas ter comigo para dizer que não sentes este “gostar” igual ao meu.
Não me cai o chão se ouvir essas palavras, estou numa fase em que me amo o suficiente para viver bem sozinha e há muito tempo aprendi que o amor não completa, o amor, se for como deveria ser, acrescenta.
Completar e acrescentar são coisas diferentes.
Sei que de longe notaste a minha sensibilidade, e então sim, as palavras, as atitudes que os outros têm para comigo fazem alguma mossa, mas já não me deitam abaixo.
Da forma mais serena possível, consigo dizer-te, gosto de ti. Esperando o tempo que for preciso para que estejas pronto para nós.
De forma, também serena, digo que estou pronta para seguir se os nossos caminhos não se cruzarem, como eu sinto que podem cruzar-se.
Agora, o remo está do teu lado e seguirei consoante a tua direcção.

© Alexandra Carvalho
26/09/2018 - São Vicente

sábado, 29 de setembro de 2018

Sobre a perda e o perdão


Porque os acontecimentos chamam-nos à atenção, mesmo quando não acontecem connosco, mas com pessoas próximas a nós.
A vida é fugaz, e nós sabemos disso. Ainda assim, vivemos os dias como se fôssemos viver sempre o amanhã.
Mas pasmem-se. Não vivemos sempre o amanhã.
Porque nem só a doença é responsável por desprender-nos deste plano terrestre. Andamos aqui todos os dias à mercê de qualquer fatalidade. Um acidente estúpido, uma queda, uma dor repentina, e pronto, vamos embora.
Recentemente, porque alguém próximo a mim viveu uma perda assim. Fez-me pensar ainda mais sobre os dias que passo aqui por baixo, nesta terra que tantas vezes não é correcta nem justa.
Fez-me olhar para mim, para a minha realidade, a minha verdade.
Pedi perdão a toda a gente? Toda a gente me pediu perdão? Perdoei-me a mim?
Disse a todos de quem gostava da imensa importância que têm na minha vida?
Disse a quem amava, que realmente amava?
Pois é. Nem sempre.
Calamos as palavras e calamos os sentimentos também. Porque acreditamos que há sempre um amanhã, e que em algum momento vamos ser capazes ou porque o tempo irá encarregar-se desses sentimentos/palavras.
Devido a este acontecimento, despoletou-me a necessidade de dizer mais o que sentia, com todas as consequências que podem advir daí.
Mas, sabem, dizer a verdade é sempre o melhor caminho. O que é para nós, vai ser sempre para nós. O que não é, não vai ser. Por mais que queiramos que seja.
O que realmente é importante é não guardar sentimentos que nos aprisionam, mesmo quando não percebemos que é isso que nos fazem.
Doendo ou não, ferindo o orgulho ou não, é preciso pedir perdão quando for altura.
É preciso dizer que gostamos dos outros, quando assim é.
É preciso dizer que amamos, quando realmente amamos.
Porque na hora da partida, o coração estará mais leve, o nosso e de quem vai.

© Alexandra Carvalho

domingo, 23 de setembro de 2018

Esta Alexandra que agora existe



Quando olho lá para trás, para os meus escritos íntimos, mais ou menos poéticos. Fico em dúvida, de que esta Alexandra seja a mesma que escreveu todas aquelas palavras carregadas de drama e pouca luz.
As minhas duas décadas de vida foram controversas, e nesta alma que aparentou sempre uma calma e passividade externas, existiu sempre um espírito insatisfeito.
Deste espírito controverso, surgiram poemas interessantes, imersos numa obscuridade que nem toda a gente conseguia perceber.
As palavras nunca são apenas palavras. São emoções.
Na minha terceira década de vida, comecei a encontrar-me. A compreender o efeito que as experiências, todas, têm na nossa vida. A compreender, a aceitar, a aprender e a deixá-las para trás. 
E como resultado, renasceu a Alexandra. Que não só aparenta calma e serenidade. Mas que efectivamente, é calma e serenidade. 
Talvez, não volto a escrever aqueles poemas que de tão dolorosos, eram sublimes e intensos. 
Mas esta é uma escolha. 
Escolhi a serenidade, escolhi o amor. 
Mas o caminho não termina apenas por uma decisão, ou uma escolha. 
E pelos dias fora, serei sempre confrontada com a dualidade da vida. 
O caminho, é isso mesmo. Caminho... 
Não se encerra... A evolução não morre nunca.

© Alexandra Carvalho

O Arraial da minha terra




Sim, o Arraial do Bom Jesus irá sempre remeter-me para lembranças antigas. 
Dos tempos em que acordava eufórica para ver se já havia mais barracas pelas ruas circundantes à minha casa.
O cheirinho a louro das traves colocadas simetricamente. As flores, que ajudávamos a pôr. O interesse era vê-las lá a embelezar o nosso sítio. E ajudávamos como sabíamos. Éramos crianças, adolescentes. 
Mas o Arraial não era apenas isso. Era reencontro. Era família.
A família emigrada chegava sempre dias antes. A avó Piedade ainda estava por cá. O Sr. José também e havia ali, em todos, uma energia diferente do resto do ano. Falavam sobre os bolos a fazer, o pão a amassar. Quem vinha para almoçar connosco, se as tias do Funchal também vinham, o meu avô Ricardo. Era uma azáfama que me agradava. 
Subia ao balcão da casa da minha avó, e olhava. Ficava parada tempos, perdia-me ali. Não sei bem o que via. Apenas olhava para tudo.
Hoje, quando penso no Arraial, o sentimento também é de saudade. Inquestionavelmente penso sempre, passe o tempo que passar na minha avó Alaíde. No calor que eu sentia que vinha dela, percebo agora, que esse calor ou conforto era amor.
Não sei passar o Arraial sem ir a uma barraquinha e comprar os doces de leite, não pelos doces. Mas por ela. Não para a prender a este plano, apenas para reafirmar que as almas que se amam, amam para sempre. 
E aquela criança que perdeu a avó cedo, relembra os doces que ela fazia questão em trazer. É quase um sinónimo de amor.
A família tornou-se pequena. Com o tempo, fomos diminuindo no número, mas não no Amor. 
Este Arraial do Bom Jesus, para mim, para além dos romeiros que atrai, para além de toda uma dinâmica que muda na minha freguesia, para além da fé ou da Religião. Este Arraial relembra que estamos juntos, e que enquanto houver amor, haverá tudo o resto.

© Alexandra Carvalho

segunda-feira, 27 de agosto de 2018




Não tenho a certeza se é cedo.
Sei apenas, que devagar,
Vou querendo ver o teu sorriso.
Mas que arredio que tu és!
Do inesperado, surges, resplandeces.
Mas depois, a concha que te prende ao passado suga-te novamente.
Estás no meio,
Entre uma vida que não queres repetir
E um futuro que tens medo de não ser como mereces.
Mas se mereces, é esse o futuro que irás ter.
Eu talvez seja o futuro que mereces.
Tu talvez sejas o futuro que eu mereço.
Talvez…

© Alexandra Carvalho