quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Memórias de um Ser Solitário

https://www.facebook.com/JCarvalhoPhotography
Continuavas ali sentado, quase como um objecto inerte. Prostrado em frente a uma janela sem paisagem, procurando na tua memória resquícios da vida que tinhas deixado para trás. Aquela vida que havias saboreado tão intensamente.
Estavas só.
Os anos haviam passado, mas jamais pensaste que a jovialidade, o sorriso aberto, iriam desaparecer juntamente com o tempo.
As memórias confundiam-se, umas com as outras, não tinhas mais a certeza se eram verdadeiras ou não.
Sentias o medo fervilhar dentro de ti, nos teus ossos gastos, no teu coração agora fraco, na tua cabeça confusa e cansada.
Não era medo da partida, do adeus à vida. Tinhas medo da solidão no momento do adeus, tinhas medo de descobrir que as tuas memórias eram irreais.
Afinal, estavas só. Para onde tinham ido todos? Em que momento te tinhas perdido deles?
Sentias, intimamente, que nem sempre tinhas estado só.
Os anos não haviam roubado apenas o teu sorriso ou a tal jovialidade que achavas ter para sempre. Os anos tinham-te roubado muito mais que isso, ficaste sem carinho, ficaste sem atenção, ficaste sem amor.
A tua pele franzida, o respirar ofegante e cansado, os cabelos brancos, o rosto marcado por uma existência longa e intensa, haviam afugentado todos aqueles que antes pareciam gostar de ti.
Estavas velho e estavas só.
Continuaste ali sentado, olhando para lugar nenhum, à espera do simples momento em que mais nenhuma recordação iria se confundir com outra.
Aguardavas apenas o momento da libertação e apesar da solidão, no teu coração ainda fervoroso, conseguias sorrir relembrando os rostos de quem um dia havia passado por ti. E bastava isso.
A libertação acabaria por chegar.

© Alexandra Carvalho

3 comentários:

  1. gostei muito do poema.estais bem na foto.
    beijos luz

    ResponderEliminar
  2. ola tudo bem?
    estais numa poetisa
    beijos luz

    ResponderEliminar
  3. Mas que texto intenso. Muito bom.

    ResponderEliminar