segunda-feira, 7 de agosto de 2017


O coração fica pequeno, chega a querer saltar de ansiedade, de sentimentos vários que me assolam a alma. Sim, porque eu sou alma e não um espectro qualquer que deambula na matéria.
Torna-se difícil, por vezes, gerir as minhas emoções quando preciso de ajudar outros a gerir as suas.
De vez em quando, sinto necessidade de olhar para mim e pedir um intervalo, autorizar-me a deixar, por menor tempo que seja, toda essa gestão emocional alheia.
Se perco o meu eu, tenho de o encontrar, e na alienação total, consigo distinguir onde ele está.
Assustado, algumas vezes, cansado, várias, mas pronto, sempre, para ser resgatado e continuar a missão que anteriormente aceitou.
Respiro fundo, uma, duas, três vezes, e tento buscar a minha energia mais luminosa, a mais próxima do meu verdadeiro eu.
Volto para o campo de batalha, onde tantos comportamentos me surpreendem, onde incontáveis não sentimentos me chocam.
Pelo caminho, desiludo-me, não sinto que nasçamos para ser projectos tão débeis de seres humanos. Todavia, temos todos um caminho e o meu não tem de ser necessariamente igual ao dos restantes seres humanos que me circundam.
Respeito que cada um tenha o seu tempo certo para evoluir como ser humano, na matéria e como alma, ser de luz, lá em casa.


© Alexandra Carvalho

Sem comentários:

Enviar um comentário